25 novembro 2008

CAMINHADA MONTE PILAR - 6 de Dezembro de 2008




Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego. Chove.
O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...
Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...
Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

"Fernando Pessoa"

2 comentários:

Maria disse...

Esta caminhada foi lindíssima!... Apenas 19 pessoas formavam o grupo. Temeram a chuva. Uma chuva miudinha, num dia cinzento, que se foi tornando mais forte a ponto de chegarmos a casa encharcados. Alguns de nós tirámos o capuz para saborearmos a chuva que nos beijava o rosto… outras chapinhavam, para cá e para lá, nas poças de água que se nos deparavam pelo caminho. Parecíamos crianças brincando à chuva…
Subimos e descemos rochas e montes… ao longo de um rio que mais parecia um braço de mar encapelado, descendo a grande velocidade monte abaixo, formando maravilhosas quedas de água…
Este é o objectivo do 100limites. O contacto directo com a natureza. Obrigada Hugo!...

Rosa Pinto disse...

Esta foi sem duvida a caminhada mais espectacular ..foi um prazer caminhar em pleno monte num dia em que a chuva não nos largou ,pois senti que era novamente criañça ...